As viagens de avião não costumam ser um problema para pessoas com insuficiência cardíaca, embora os níveis de oxigénio sejam ligeiramente mais baixos, mesmo em cabines pressurizadas de voos comerciais. No entanto, e raramente, algumas pessoas necessitam de recorrer a suplementos de oxigénio durante o voo.

Geralmente, se a insuficiência cardíaca estiver bem controlada, não terá dificuldades com a ligeira redução dos níveis de oxigénio nos aviões, desde que os sintomas estejam estáveis antes de viajar. Caso verifique o aparecimento de novos sintomas ou o agravamento dos sintomas, tais como o agravamento da falta de ar ou aumento de peso recente, deverá falar com o seu médico sobre os seus planos de viagem. Se o médico recomendar a administração de um suplemento de oxigénio durante o voo, certifique-se de que entra em contacto com a companhia aérea, pelo menos duas semanas antes da sua viagem, para verificar quais são as políticas da companhia relativamente à utilização de suplementos de oxigénio e para que tomem as medidas necessárias.

Se tiver um dispositivo (pacemaker/marcapasso, TRC ou CDI) implantado, este será provavelmente detetado pelas máquinas de segurança. Deverá informar o pessoal da segurança com antecedência. O controlo de segurança e a viagem aérea não interferem no funcionamento do seu dispositivo. Os dispositivos utilizam tecnologia padrão, pelo que poderá examinar o seu dispositivo na maior parte do mundo, se necessário.

Permanecer sentado durante longos períodos nos lugares apertados de um avião provoca normalmente o inchaço dos tornozelos e por vezes caímbras musculares. Os alongamentos e os exercícios de mobilidade podem ajudar, bem como caminhar um pouco pela cabine e enquanto espera no aeroporto. Tente evitar o consumo do álcool e certifique-se de que bebe água suficiente. Em alguns casos, o seu médico poderá recomendar que use meias de descanso até ao joelho durante o voo para prevenir a formação de coágulos de sangue (TVP).

Voltar à secção Viajar