O seu médico poderá aconselhá-lo a medir regularmente a pressão arterial e a frequência cardíaca (pulsação) em casa ou poderá decidir fazê-lo por interesse próprio. De qualquer forma, é importante que aprenda a fazer uma medição precisa.

Porquê?

A medição da sua própria pressão arterial e pulsação pode fazer com que sinta que controla melhor a sua doença e tenha mais confiança no tratamento que está a seguir. Também pode partilhar essas informações com o seu médico ou enfermeiro de especialidade de insuficiência cardíaca. A medição pode fornecer informações que poderão melhorar o seu período de gestão.

Contudo, medir a sua própria pressão arterial em casa, também pode deixá-lo mais ansioso com a doença. Se assim for, tente resistir à tentação de fazer medições com maior frequência do que o recomendado pelo seu médico. O seu médico ou enfermeiro irá falar-lhe dos seus valores atuais de pressão arterial e frequência cardíaca e indicar quais os valores alvo que se pretende atingir com a ajuda do tratamento. Esses valores alvo não significam que todas as medições devem estar dentro desses limites. No entanto, se as medições repetidas estiverem fora do intervalo, deve marcar uma consulta com o seu médico ou enfermeiro.

Como?

Os monitores de pressão arterial raramente estão disponíveis gratuitamente no seu médico. No entanto, poderá pedir um emprestado por um período de tempo.

Pode medir a pulsação facilmente em casa. Tudo o que precisa é de um relógio com um ponteiro de segundos ou de um cronómetro digital. Num local calmo, afastado de distrações, sente-se, aguarde pelo menos 10 minutos (para garantir que obtém uma pulsação em repouso), conte a pulsação colocando suavemente dois dedos no interior do seu outro pulso, abaixo do polegar e conte os batimentos durante 30 segundos (não use o polegar, porque poderá sentir a pulsação do mesmo). Em seguida, duplique o resultado para obter a pulsação em repouso. Normalmente, esta situa-se entre os 60 e 100 batimentos por minuto.