Atualizado e melhorado

Níveis elevados de potássio (Hipercaliemia)

O que é a Hipercaliemia e as suas causas?

A caliemia mede a concentração de potássio no plasma. Esta varia normalmente entre 3,6 e 5 mmol/litro. A doença renal e a utilização de determinados medicamentos podem causar um nível de potássio sérico excessivamente alto (acima de 5,0 mmol/litro). Isto é designado por hipercaliemia, uma anomalia eletrolítica comum. O potássio está envolvido na transmissão nervosa, contração muscular e função renal.

A hipercaliemia resulta, na maioria das vezes, do aumento da ingestão de potássio combinado com função renal comprometida. Os distúrbios que afetam os rins diminuem a excreção renal e são a causa mais frequente de hipercaliemia. Os rins saudáveis conseguem manter os níveis normais de potássio, mesmo com ingestões elevadas, através da excreção de potássio. No entanto, a capacidade dos rins com função reduzida de se adaptarem a alterações rápidas da carga de potássio fica comprometida. Essas mudanças rápidas podem ser causadas pela ingestão de muitos alimentos ricos em potássio. Nos alimentos ricos em potássio incluem-se a laranja, banana, melão, alperce, pêssego, papaia, abacate, batata, frutos secos, feijão e chocolate. Alguns substitutos do sal contêm potássio e podem contribuir para a hipercaliemia.

Os diuréticos, que são rotineiramente utilizados por doentes com insuficiência cardíaca, podem levar a uma perda de potássio pelo rim normal, o que pode resultar em níveis baixos de potássio no sangue, denominados hipocaliemia. Alguns doentes com insuficiência cardíaca recebem suplementos de potássio que são frequentemente prescritos por rotina juntamente com diuréticos. No entanto, se a função renal for fraca, uma ingestão excessiva de suplementos de potássio pode causar hipercaliemia.

Os medicamentos são uma causa muito comum de hipercaliemia através de diversos mecanismos. Nestes incluem-se medicamentos frequentemente utilizados para insuficiência cardíaca e hipertensão: por exemplo, inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas dos recetores da angiotensina, inibidores da neprilisina, bloqueadores da aldosterona também chamados MRAs, β-bloqueadores, digoxina, diuréticos poupadores de potássio (triamtereno), o medicamento anticoagulante heparina e os medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (MAINE) frequentemente utilizados sem prescrição médica.

A hipercaliemia pode desenvolver-se intermitentemente na presença de fatores predisponentes conhecidos, tais como doença renal crónica e insuficiência cardíaca, especialmente quando se toma alguns dos medicamentos acima mencionados. Por isso, os doentes com insuficiência cardíaca em tratamento precisam de verificar regularmente o seu potássio no sangue. Isto é geralmente feito juntamente com verificações da função renal, uma vez que o agravamento da função renal é uma das causas mais comuns de hipercaliemia.

Quais são as consequências da hipercaliemia?

Quando se desenvolve, a hipercaliemia leve a moderada até 6,5 mmol/litro pode não causar sintomas e problemas imediatos, mas está associada a um elevado risco de desenvolver distúrbios graves do ritmo cardíaco. A hipercaliemia grave (>6,5 mmol/litro) é uma emergência médica com risco de vida, que requer atenção imediata e tratamento médico. As consequências da hipercaliemia são também afetadas por outros fatores, tais como a presença de doença cardíaca ou outras anomalias dos eletrólitos sanguíneos (cálcio, magnésio) que podem aumentar o risco de arritmias cardíacas.

A hipercaliemia pode ser prevenida através da monitorização frequente dos níveis sanguíneos, evitando a ingestão de alimentos ricos em potássio e a administração adequada de medicamentos que possam levar à hipercaliemia. Muitas vezes, isto pode significar a utilização de doses baixas ou a interrupção ou não interrupção de certos medicamentos. O encaminhamento para um nutricionista pode ser benéfico para ajudar a adaptar a dieta do doente individual.

A hipercaliemia é controlável e reversível, reduzindo diretamente o potássio sérico. O tipo de intervenção é determinado pela gravidade da hipercaliemia e das complicações associadas. O tratamento agudo para hipercaliemia grave é implementado no hospital para monitorar complicações e inclui terapêutica intravenosa e intervenções para reduzir rapidamente os níveis de potássio. Ocasionalmente, é necessária a rápida remoção de potássio do sangue através de hemodiálise. Isso geralmente é necessário apenas em doentes com função renal severamente reduzida ou ausente.

Nas intervenções de longo prazo incluem-se a remoção dos fatores de risco para hipercaliemia e a administração de terapêuticas que facilitam a remoção do potássio do organismo. Estas incluem a restrição dietética de potássio e a interrupção de suplementos de potássio. No entanto, estas intervenções podem não ser suficientemente eficazes para prevenir a hipercaliemia em doentes com insuficiência cardíaca e insuficiência renal.

É essencial interromper o uso de medicamentos indutores de hipercaliemia que não sejam essenciais, como os analgésicos. Várias classes de medicamentos para insuficiência cardíaca podem aumentar o risco de hipercaliemia. Isto é especialmente relevante para doentes com insuficiência cardíaca e doença renal crónica, mais propensos a desenvolver hipercaliemia.

Em doentes com insuficiência cardíaca que desenvolvam hipercaliemia e necessitem da utilização ideal e contínua dos seus medicamentos, podem ser consideradas resinas de ligação ao potássio, aumentando eficazmente a eliminação gastrointestinal do potássio. Estes agentes, tomados na forma de pó com água, são bem tolerados e eficazes na manutenção do potássio normal a longo prazo em doentes com predisposição para a hipercaliemia. É importante ressaltar que permitem a utilização otimizada contínua de medicamentos benéficos para a insuficiência cardíaca.

Voltar a Outras condições médicas comuns e insuficiência cardíaca

UMA VIAGEM ANIMADA ATRAVÉS DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

Um conjunto de nove animações simples e interessantes que explicam o que é a insuficiência cardíaca e o seu tratamento

Estas animações narradas explicam como funciona um coração saudável, o que acontece em caso de insuficiência cardíaca e como atuam os vários tratamentos para melhorar a sua saúde

FERRAMENTAS ÚTEIS

Clique para imprimir estas ferramentas que o irão ajudar a monitorizar a sua insuficiência cardíaca

VÍDEOS DE PACIENTES E PRESTADORES DE CUIDADOS

Nesta secção pode ver, ouvir e ler entrevistas em Inglês com outras pessoas com insuficiência cardíaca e com os seus prestadores de cuidados.

VISITE A NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK

e compartilhe suas próprias opiniões e experiências com outros pacientes, familiares e cuidadores.

Voltar ao início