Além de dar apoio prático ao seu cônjuge ou familiar na gestão da insuficiência cardíaca, o apoio emocional também é de extrema importância para o seu cônjuge ou familiar, na medida em que passará por um turbilhão de sentimentos diferentes e desafiantes. Enquanto prestador de cuidados, deverá dar apoio emocional:

  • tranquilizando o seu cônjuge ou familiar e assegurando que cada mudança leva o seu tempo. É natural que as pessoas sintam dificuldade em mudar os hábitos de uma vida inteira. O seu cônjuge ou familiar apreciará certamente se tentar ouvir as respetivas preocupações e manter-se otimista, mesmo quando não segue de imediato todas as recomendações do médico. Incentive e elogie a adoção de novos hábitos e o progresso alcançado e não faça julgamentos quando o seu cônjuge ou familiar tiver um deslize ocasional e voltar aos velhos hábitos. Seja solidário e ajude-o a voltar a entrar nos eixos.
  • sugerindo que o seu cônjuge ou familiar participe num grupo de apoio para pessoas com insuficiência cardíaca, onde poderá obter o apoio de outras pessoas na mesma situação. Se pretender, pode também participar no grupo, mas a experiência será mais benéfica se a decisão partir do seu cônjuge ou familiar.

compreendendo que é normal que haja inicialmente uma perda de intimidade física até que a situação fique normalizada. O diagnóstico de insuficiência cardíaca significa geralmente uma limitação ou interrupção da atividade sexual, até a doença estar controlada.

Voltar à secção Compreender o seu papel