Como funcionam?

Os anticoagulantes (também conhecidos por antitrombóticos) impedem a formação ou o crescimento de coágulos sanguíneos. São importantes porque as pessoas com insuficiência cardíaca poderão produzir coágulos sanguíneos no coração ou nos vasos sanguíneos que fornecem sangue ao coração. Para os doentes com fibrilhação auricular, que consiste num ritmo cardíaco irregular, comum sobretudo em doentes com insuficiência cardíaca, Os anticoagulantes são fundamentais uma vez que protegem contra a formação de coágulos sanguíneos na aurícula esquerda que poderão soltar-se e causar um acidente vascular cerebral.

Embora os anticoagulantes sejam frequentemente referidos como diluentes do sangue, na verdade não permitem que o sangue circule mais livremente nos vasos sanguíneos. Imagine-os como impedindo que o sangue lento forme coágulos sanguíneos onde não deveria.

A varfarina é o anticoagulante mais comum e é tomado em comprimidos. A dose de varfarina varia de pessoa para pessoa. O seu médico ou enfermeiro medirá regularmente a Relação internacional normalizada (RIN), sobretudo durante o início do tratamento e depois, rotineiramente para determinar a dose adequada para o seu caso. É importante que não se esqueça de tomar os comprimidos nem tome doses extra. Caso contrário, terá de informar o seu médico ou enfermeiro.

Por vezes, poderá ser-lhe administrada uma injeção anticoagulante (normalmente algum tipo de heparina) em vez da varfarina. Isto é muitas vezes realizado num hospital durante períodos de imobilização, por exemplo, durante um internamento antes de um procedimento médico ou se não conseguir engolir medicamentos.

Nos últimos anos, foi desenvolvida uma nova geração de anticoagulantes, conhecida como “novos anticoagulantes orais” ou NAO. Estes medicamentos são agora frequentemente utilizados para proteger contra acidentes vasculares cerebrais nos doentes com fibrilhação auricular. Os NAO são tão eficazes como a varfarina e poderão ser mais fáceis de usar, uma vez que não requerem a realização rotineira de análises ao sangue para medir a tendência do sangue para formar coágulos.

Efeitos secundários

Os anticoagulantes podem aumentar a tendência de hemorragia, normalmente visível sob a forma de nódoas negras ou pequenas hemorragias. Contudo, embora o risco seja pequeno, também existe mais risco de ocorrência de uma hemorragia

grave (hemorragia grave), por exemplo relacionada com uma úlcera no estômago.

O efeito da varfarina durará durante vários dias depois de interromper a toma dos comprimidos, embora o seu médico possa administrar um tratamento que reduzirá rapidamente a tendência de hemorragia. Em contrapartida, o efeito de um NAO é de curta duração, de horas em vez de dias, pelo que poderá ser mais fácil gerir a tendência de hemorragia.

Principais sugestões

É essencial que colabore de perto com o seu médico ou enfermeiro quando começar o tratamento para ser possível determinar a dose de varfarina ou de um NAO adequada para si, ao mesmo tempo que mantém um nível estável de coagulação.

Deve comunicar a todos os seus médicos, incluindo ao médico de família, dentista e farmacêutico, que está a tomar varfarina ou um NAO. É útil ter consigo um cartão de alerta médico ou uma pulseira que informe as pessoas que está a tomar varfarina ou um NAO em caso de emergência.

Devido ao risco de hemorragia, é importante que informe imediatamente o seu médico se notar sinais de hemorragia anormal, incluindo nódoas negras sem explicação ou sangramento nas gengivas, nariz, trato urinário ou intestinos. É fundamental que comunique exatamente quando tomou a última dose de um anticoagulante como a varfarina ou um NAO.

Também conhecido por:

  • Anticoagulantes orais
  • Warfarin
    (Coumadin®, Jantoven®, Marevan®, Waran®)
  • Acenocoumarol/nicoumalone
    (Sinthrome®) 
  • Fenindiona  
  • NAO
  • Dabigatran
    Pradaxa®
  • Rivaroxaban
    Xarelto®
  • Apixaban
    Eliquis®
  • Edoxaban

Lixiana®

 

Anticoagulantes por injeção 

Dalteparina sódica
(Fragmin®) 

Enoxaparina sódica
(Clexane®) (Klexane®) 

Tinzaparin sodium
(Innohep®) 

Fondaparinux
(Arixtra®)

Heparina

Voltar à secção Medicamentos para a insuficiência cardíaca