O seu médico irá classificar a sua insuficiência cardíaca no primeiro diagnóstico e novamente em consultas posteriores. Existem dois sistemas utilizados para classificar a insuficiência cardíaca e é provável que o seu médico utilize uma combinação de ambos.

A classificação funcional da New York Heart Association (NYHA) permite classificar a gravidade da doença com base nos sintomas.

Classe I (ausência de sintomas) Não apresenta sintomas e consegue realizar as atividades diárias sem se sentir cansado ou com falta de ar.
Classe II (sintomas ligeiros) Sente-se bem em repouso, mas a atividade moderada causa cansaço e falta de ar.
Classe III (sintomas moderados) Sente-se bem em repouso, mas mesmo uma atividade física reduzida causa cansaço e falta de ar.
Classe IV (sintomas graves) Não consegue realizar nenhuma atividade física sem desconforto e tem alguns sintomas em repouso.

 

Diretrizes da AHA/ACC (American Heart Association/American College of Cardiology)

Este sistema aceita que insuficiência cardíaca pode estar presente antes de ser sintomática.

Fase A Não tem insuficiência cardíaca. Mas corre um risco elevado de contrair a doença, devido a outro problema de saúde que pode conduzir à insuficiência cardíaca, como a pressão arterial elevada, a diabetes, a obesidade ou a doença das artérias coronárias.
Fase B O seu coração sofreu lesões devido a outros problemas de saúde ou outros fatores, mas ainda não tem sintomas.
Fase C O seu coração tem lesões e você tem sintomas de insuficiência cardíaca.
Fase D Sofre de insuficiência cardíaca grave que requer cuidados especializados, para além do tratamento.

Voltar à secção De que forma a insuficiência cardíaca pode mudar com o tempo?